Cuidados com seu pet no verão

Por DRa. Daiana Giovanella 12/01/2018 - 10:30 hs

Assim como as pessoas os animais de estimação também precisam se adaptar ao calor e a umidade. Pequenas alterações na rotina garantem a saúde de cães e gatos nessa época do ano.

Os cães não transpiram como nós. Eles não possuem glândulas sudoríparas espalhadas pelo corpo, somente algumas glândulas nas regiões dos coxins (almofadinhas das patas). A respiração é a única forma de controlar o processo de refrigeração e manutenção da temperatura corpórea ideal. Por isso, quando submetidos a calor intenso ou situações de estresse os cães podem não ter condições de perder calor e entram num processo conhecido como hipertermia. O primeiro sinal que o animal precisa de resfriamento é quando se mostra muito ofegante. No quadro de hipertermia a temperatura corporal pode atingir até 42º C, provocando vômitos, edemas pulmonares, parada cardíaca e até mesmo chegar ao estado de coma e morte.

Os cães braquicéfalos, que tem o focinho curto, como os Bulldogues, Pugs, Boxers, Shihtsus, entre outros, sofrem mais com as altas temperaturas devido à conformação anatômica do seu focinho e dificuldade de respirar e perder calor. Animais obesos também sofrem mais com o calor e a alta umidade do ar. Por isso não devemos nunca submeter esses cães a situações de intenso calor ambiental como banho e tosa, passear em horários muito quentes, ficar dentro de carros parados ou em viagem longas, e outras situações de estresse. Nessa época do ano os animais devem ficar em ambiente agradável e sombreado, com água fresca disponível.

Dicas:

• Nunca leve seu amiguinho para passear em horários quentes. Sempre dar preferência aos horários da manhã até às 9h e os horários da tarde e da noite a partir das 18h. Sempre averiguar o chão, pois o animal pode acabar queimando os coxins, as patinhas, se estiver muito quente. E nunca esqueça de levar água, mesmo que o trajeto seja pequeno.

• Se o seu animalzinho tiver orelhas e focinho despigmentados, lembre-se de aplicar protetor solar para prevenir o câncer de pele.

• Troque a água pelo menos duas vezes ao dia e prefira colocar sempre água com temperatura mais fresca. Além disso, manter o animal em lugares frescos e com sombra. Essas duas medidas impedem a desidratação natural que ocorre nos dias quentes e uma possível queda de sua pressão arterial. JAMAIS deixar o animal sem acesso à sombra.

• Nunca deixe seu cão sozinho dentro de carros com os vidros fechados, mesmo em dias não tão quentes. Nunca deixe seu pet preso em locais pequenos e fechados sem ventilação.

• Vermifugue o seu animal e mantenha as vacinas em dia. No verão temos uma grande incidência de viroses, e se o animal não estiver protegido ele é um alvo fácil.  É importante ressaltar que somente o médico veterinário está apto a vacinar os animais. - Se o seu filhotinho ainda não está com todo o esquema de vacinação em dia, não leve ele para passear e nem para pet shops para tomar banho. Somente tire o filhote de casa se for extremamente necessário.

• No verão aumenta a incidência de pulgas e carrapatos, que além de serem incômodos transmitem várias doenças. Esses bichinhos, que normalmente afetam a pele dos animais, gerando coceiras e ferimentos, podem arrumar problemas muito mais sérios. As pulgas, por exemplo, são transmissoras de tênia, um verme que provoca irritação anal, diarréia com muco e sangue e, em quadros mais avançados, crises de convulsões. Já os carrapatos são vetores de contaminação da erliquiose e babesiose, doenças cujo parasita compromete seriamente o sistema imunológico dos animais contaminados.