2018 começou! Será que haverá mais do mesmo?

Por Ozinil Martins de Souza 12/01/2018 - 10:54 hs

A visualização do estado em que ficaram nossas áreas destinadas às festas de fim de ano nos leva a pensar que sim; teremos mais do mesmo. Como um povo que se veste de branco, sai de casa para festejar a simples mudança de data, destrói aquilo que se convenciona chamar de área pública? Lamentável a quantidade de lixo depositada nas ruas e praias após os festejos da passagem do ano. Enquanto não houver mudança de atitude do povo não haverá mudança no país. Os poucos que têm consciência não conseguirão influenciar no processo da mudança. A atitude das autoridades cariocas dizendo que os arrastões, os roubos que aconteceram, são próprios de festas da magnitude da que lá houve, trazem descrédito às mudanças que se pretende para sermos, minimamente, civilizados.

Por que os trabalhadores americanos não saem de seu país?

Uma das críticas que se faz aos EUA é sobre a fragilidade de sua legislação trabalhista. Gozado é que não se vê a intenção dos trabalhadores americanos em trocar seu país por outro qualquer. Muito antes pelo contrário; são milhares os trabalhadores de outras partes do mundo querendo trabalhar e viver no “país mais opressor do mundo.” Recentemente foi aprovada, no Brasil, a modernização da legislação trabalhista que orienta as relações de trabalho. Críticas dos setores mais paternalistas e dos sindicatos (grandes perdedores) se fizeram ouvir. Espero que as mudanças gerem mais empregos e permitam que o trabalho no Brasil não seja tão oneroso. Ah! Perdem também os que gravitam ao redor da indústria das reclamações trabalhistas, pois o Brasil é o único país do mundo que tem os casos trabalhistas julgados por justiça específica e não pela justiça comum. Que soprem os ventos da modernização!

O descaramento passou a ser norma de conduta?

Que as pessoas já perderam a vergonha se sabe há muito tempo. Agora, quando se passa da medida até o maior dos incrédulos estranha. A nomeação da futura ministra do trabalho beira às raias do ridículo e, as justificativas dos que a defendem transmitem a população um sentido de fim de festa, no que isso possa ter de pior. Condenada em dois processos trabalhistas, em um fez acordo e o pagamento é feito por uma assessora, em outro está pagando aos poucos, quando a Justiça consegue bloquear o dinheiro em conta. Essa senhora, que me nego a escrever o nome, quer ser a ministra do trabalho do Brasil. Ao mesmo tempo, o novo nomeado pelo governo de Minas Gerais para o cargo de diretor do Detran, tem mais de 120 pontos na carteira de motorista por infrações cometidas, de leve à gravíssima. A raposa cuidando do galinheiro! O exemplo que as autoridades dão serve de base para a conduta da população. Como ter um povo educado e cumpridor das leis?

Curtas

A Petrobras acaba de firmar acordo com a Justiça dos EUA na base de 3 bilhões de dólares para indenizar investidores americanos por possíveis perdas causadas pela má gestão durante o governo petista. Dos males o menor, pois a decisão poderia ser muito mais onerosa. Mais uma para a conta do governo petista e seus acólitos!

Parece que o governo federal e a justiça estão sinalizando com mudanças no relacionamento com os estados. No Rio Grande do Norte a negativa de envio de dinheiro para pagar salários atrasados sinaliza aos governos estaduais que a gestão do dinheiro público é essencial para a moralização do país. Chega de governos ineficientes e perdulários.

Pronto! Chegou 2018 e com ele os problemas que, há anos, nos acompanham. A interferência da velha raposa, José Sarney, na escolha do ministro do trabalho (que é encargo do PTB), impediu a designação de um conterrâneo maranhense. Motivo: o filho do escolhido faz parte do governo atual do Maranhão, que é governado por um desafeto do ex-presidente, ex-senador, ex-quase tudo na política brasileira. Pobre Brasil!

O superávit comercial obtido pelo Brasil de 67 bilhões de dólares tem sua raiz no seu principal produto, o agronegócio. O Brasil tem o agronegócio mais moderno do mundo, apesar dos esforços do governo (pela qualidade de infraestrutura entregue) e do MST (pela visão tacanha e ideológica). Graças ao agronegócio o Brasil respira!

Educação

“Os analfabetos do século XXI não serão os que não conseguem ler nem escrever, mas os que não conseguem aprender, desaprender e reaprender.” Alvin Tofller