Nova Zelândia: exemplo a ser seguido

Por Ozinil Martins de Souza 04/11/2017 - 09:28 hs

País pequeno, economia com ênfase na ovinocultura, tecnologia avançada e grande explorador de petróleo em alto-mar. A primeira ministra, Jacinta Arden, acaba de anunciar como projeto de governo que a meta para zerar as emissões de carbono deverá ser atingida até 2050. O mais significativo na notícia é que todos os partidos políticos partilham do mesmo objetivo entendendo que o meio ambiente é essencial para a vida sustentável. Enquanto gigantes da economia como os Estados Unidos rechaçam a possibilidade de controlar suas emissões de gás carbônico e retomam a produção de carvão e, o Brasil continua a desmatar a Amazônia no intuito de transformar floresta em pasto, um pequeno país com 4,7 milhões de habitantes faz a parte que deveria ser feito por todos. Que sirva de exemplo.

Ilha Henderson

O que esperar da humanidade quando se sabe que 8 milhões de toneladas/ano de lixo são descartadas e absorvidas pelos oceanos? A Ilha de Henderson situada no Oceano Pacífico é um bom exemplo. Atol desabitado, santuário de espécies características da região, está envolta por 38 milhões de recipientes e invólucros que são lançados aos mares e ali são depositados pelas correntes marítimas. A ilha é um grande “lixão” a céu aberto. Os animais que ali vivem estão morrendo pela ingestão de, principalmente, plástico. Mas, afinal, a humanidade não percebe a destruição que causa ao meio ambiente? Será que não entendemos que estamos destruindo o habitat que nos sustenta? Só em Santa Catarina temos 3 cidades em situação de emergência em relação as ressacas recentemente sofridas: Barra Velha, Navegantes e Bombinhas. Depois será inútil lamentar!

Brasileiros e sua cordialidade

Em 30.10.2017 o Anuário do Fórum de Segurança Pública divulgou os números da violência em 2016 no Brasil. Como diz o título do livro de Erich Marie Remarque “Nada de Novo no Front”. Pela primeira vez os números ultrapassaram 61 mil mortos em um ano; são 7 vítimas de mortes violentas por hora! Matamos mais em 1 ano do que a bomba atômica de Nagasaqui vitimou no Japão e que pôs fim a 2ª Guerra Mundial. Este povo que tem no carnaval e no futebol seus dois grandes símbolos e que se diz extremamente cordial mata mais do que qualquer guerra em curso no mundo atual. Não é a toa que a única instituição que podemos dizer que é organizada é o crime. Para pensar!

Curtas

Já vi este filme. Em 1990, entre outros candidatos bem mais qualificados, restou-nos a opção de escolher entre Lula e Collor. Era tapar o nariz e optar. Agora, quase 30 anos depois, as pesquisas indicam Lula e Bolsonaro. Constatação: ainda não aprendemos a votar! Os partidos, interessados em sua sobrevivência, escolhem maus candidatos, mas com apelo popular. Só nos resta tapar o nariz, novamente!

O ministro da Justiça, Sr. Torquato Jardim acusou, genericamente, a alta cúpula da polícia carioca e um deputado estadual de serem membros do crime organizado. Espanto geral! Se o Sr. Ministro conhece o enredo do filme porquê não contar quem são seus atores? No mínimo, leviandade; no máximo, irresponsabilidade!

Enquanto o marginal Sérgio Cabral continua manipulando seus carcereiros e ganhando benesses na prisão o ministro Gilmar Mendes está mais Gilmar Mendes do que nunca. Agora ele impediu a transferência do marginal para um presídio de segurança máxima alegando inexistência de riscos à segurança do Estado. Este senhor envergonha a Justiça do país!

E como se não bastasse, no programa do PDT na televisão, o Sr. Carlos Lupi falando em ética e atribuindo o desemprego ao governo atual, é de provocar risos.

Educação

“Se, a princípio a idéia não é absurda, então não há esperança para ela.” Albert Einstein